segunda-feira, setembro 23, 2013

Morreu António Ramos Rosa



O poeta António Ramos Rosa morreu hoje, 23 de setembro, ao início da tarde.
Vencedor do Prémio Pessoa em 1988, António Ramos Rosa é um exemplo de entrega radical à escrita como talvez não haja outro na poesia portuguesa do século XX.
Poeta, ensaísta e tradutor, nasceu em Faro, em 1924. A sua obra poética, iniciada em 1958 com a publicação de O Grito Claro, abarca quase 80 títulos, não contando já com antologias, compilações e livros escritos a meia com outros autores.
A Biblioteca da ESA disponibiliza várias das suas obras, entre as quais a sua Antologia poética:




Não Posso Adiar o Amor


Não posso adiar o amor para outro século 

não posso 
ainda que o grito sufoque na garganta 
ainda que o ódio estale e crepite e arda 
sob montanhas cinzentas 
e montanhas cinzentas 

Não posso adiar este abraço 
que é uma arma de dois gumes 
amor e ódio 

Não posso adiar 
ainda que a noite pese séculos sobre as costas 
e a aurora indecisa demore 
não posso adiar para outro século a minha vida 
nem o rneu amor 
nem o meu grito de libertação 

Não posso adiar o coração 

António Ramos Rosa, in "Viagem Através de uma Nebulosa"

DIA MUNDIAL DA FILOSOFIA 2018

15 DE NOVEMBRO DIA MUNDIAL DA FILOSOFIA 2018 Como vem sendo hábito há muitos anos, vamos assinalar, amanhã, o Dia Mundial da Filosofia n...